Maior empresa independente de serviços de logística da América Latina e maior companhia ferroviária do Brasil, a ALL – América Latina Logística (Bovespa: ALLL3), foi um dos destaques do XVII Fórum Internacional de Logística, com a apresentação de uma operação terceirizada na cadeia de peças, realizada com a MRO Logistics. Coordenadora de Planejamento e Suprimentos da ALL, Maiara Nakamura apresentou o projeto junto com o diretor geral da MRO Logistics, Alexandre Arrebola. O evento ocorreu esta semana no Hotel Intercontinental, no Rio de Janeiro.

O case mostrou o modelo de negócio que atende as áreas de Operação e Manutenção da ALL, com a criação de ferramentas, indicadores de desempenho (KPis) e novos processos para redução de valor em estoque e do volume de compras para itens estocáveis. “Uma boa gestão de estoque de materiais, além de ajudar no crescimento operacional, reduz gastos para manter a produção”, diz Maiara Nakamura. O programa começou a ser implantado em outubro de 2010. Desde então, funcionários das áreas de Via Permanente (responsável pela manutenção da linha férrea e seu entorno) e Mecânica (responsável pela manutenção de locomotivas e vagões) já receberam rodadas de treinamentos in loco para se integrarem a esse novo processo.

Sustentabilidade

Utilizando um processo de logística reversa, com controle informatizado do fluxo de estoque dos armazéns espalhados por seis estados brasileiros (SP, PR, SC, RS, MT e MS), essa nova operação na cadeia de peças na ALL consolida o conceito de sustentabilidade. Ao proporcionar um descarte mais adequado de materiais como trilhos, dormentes, materiais metálicos e peças de locomotivas e vagões, essa parceria da ALL com a MRO Logistics causa um menor impacto ao meio ambiente e à sociedade, além de gerar benefícios econômicos.

 Essa operação terceirizada na cadeia de peças realizou um novo planejamento em três áreas da ALL, com resultados que indicam aumento de controle, redução do custo total das operações e aumento da qualidade de serviço. Com o novo Planejamento de Estoques, o escopo dos itens planejáveis dobrou entre outubro de 2010 e agosto de 2011. Com mais disponibilidade de material, as Operações dos Armazéns, entre fevereiro e agosto de 2011, mostraram aumento de 64% de reservas atendidas e redução de 90% no tempo médio de atendimento. Já na Operação de Via Permanente, o retorno de materiais passa a ter acompanhamento diário, aumentando tanto o controle como o reemprego de peças.

 

Perfil ALL

A ALL possui uma malha de 21.300 mil quilômetros de extensão, que abrange os estados do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, no Brasil, e nas regiões de Paso de los Libres, Buenos Aires e Mendoza, na Argentina. Opera uma frota de 1.095 locomotivas, 31.650 mil vagões e conta com unidades localizadas em pontos estratégicos para embarque e desembarque de carga.

 Fundada em 1997, com a concessão da Rede Ferroviária Federal (RFFSA), para atuar na malha sul do país, vem ampliando sua atuação em um histórico sem precedentes de expansão e aquisições no setor de logística brasileiro. Em 1999, adquiriu as ferrovias argentinas MESO e Central e em 2001 integrou os ativos da operadora rodoviária Delara. Com a incorporação da Brasil Ferrovias em 2006, incluiu em suas operações o acesso ao Porto de Santos passando a atuar nos maiores corredores de exportação de commodities e nas mais importantes regiões industriais do país.

Investimento em infraestrutura

Desde a privatização da malha, a ALL investiu mais de R$ 6,7 bilhões. Além desses recursos, a empresa está investindo cerca de R$ 700 milhões em infraestrutura no Projeto Expansão Malha Norte, que prevê a construção do trecho ferroviário ligando Alto Araguaia a Rondonópolis (MT), ampliando em 260 quilômetros a extensão da malha ferroviária. A previsão é que a etapa final até Rondonópolis seja inaugurada em 2012.

 

Fonte: http://pt.rumoall.com/conteudo_pti.asp?idioma=0&tipo=27244&conta=45&id=138241